Sporting confirma que retirou Geraldes e Gauld devido à AZIA

Castigo. Sanção. O Sporting reconhece o resgate dos empréstimos de André Geraldes e Ryan Gauld ao Vitória como medida de retaliação face aos incidentes registados durante e depois do duelo entre as duas equipas em Setúbal.
Fonte da estrutura leonina assume a tomada de posição a Record, justificando a mesma com o que entende como comportamentos reprováveis de dirigentes e jogadores do V. Setúbal, sobretudo depois de consumada a derrota dos leões e consequente eliminação da Taça CTT. Mas não só.
A mesma fonte denuncia insultos recorrentes a Bruno de Carvalho, visando elementos da estrutura vitoriana com assento no banco de suplentes e no banco de apoio ao staff dos sadinos. Paulo Grencho, secretário técnico do V. Setúbal, é um dos visados pelos leões, que sustentam a acusação nas imagens televisivas através das quais era possível descortinar Gonçalo Álvaro, fisioterapeuta dos leões, a impedir uma aproximação a Raúl José, adjunto de Jesus.
“Falta de respeito”
A estrutura leonina também não gostou de ouvir a forma como Frederico Venâncio classificou os protestos de Jorge Jesus e companhia para com Rui Oliveira e seus auxiliares. “Nunca tinha visto uma equipa de arbitragem necessitar de escolta policial…”, afirmou o central, filho de Pedro Venâncio, antigo capitão do Sporting e técnico dos quadros do futebol de formação do clube.
O comportamento dos jogadores vitorianos também não fica isento de queixas, sobretudo por conta de um vídeo partilhado por Fábio Cardoso nas redes sociais, através do qual foi possível perceber que os sadinos dedicaram um cântico a Edinho, autor do golo do triunfo, numa versão daquele que entoaram em homenagem a Éder depois da final do Euro’2016. A estrutura leonina admite que os sadinos o façam no recato do seu balneário, até porque estavam na sua própria casa. Condenam, contudo, que o vídeo tenha sido partilhados nas redes sociais, o que os leões entendem como uma clara demonstração de falta de respeito pelo Sporting e seus adeptos e profissionais.
Por tudo isto, acredita o Sporting ter motivos de sobra para quebrar o acordo de cedência de André Geraldes e Ryan Gauld, ponderando, inclusive o corte de relações institucionais com a direção de Fernando Oliveira.
Pedido leonino foi recusado
O Sporting entende este incidente como uma quebra do protocolo de cooperação desportiva e institucional existente entre os dois clubes, sobretudo desde a cedência de João Mário na segunda metade de 2013/14. Esta época, antes do jogo a contar para a Taça de Portugal, o Sporting solicitou aos dirigentes do Vitória que ‘vetassem’ a utilização de Gauld e Geraldes no jogo que opôs as duas equipas no Bonfim, apesar de nesta prova os regulamentos não impedirem a utilização de jogadores contra os clubes que os cederam. Record sabe que o pedido foi feito a Fernando Oliveira às 12 horas do próprio dia do jogo, tendo o dirigente sadino recusado de imediato, uma vez que já poucas horas faltavam para o pontapé de saída.

Autor: António Adão Farias

Fonte: Record